timesbrasileirosfifa17novopost

Dos 20 times da Série A no jogo, dezessete já deram uma confirmação extraoficial que estarão presentes no jogo, ou seja, já confirmaram através de ouvidoria, e-mails ou imprensa que participarão do FIFA 17. Até a publicação desse rumor, apenas Vitória, Corinthians e Flamengo não haviam sido confirmados. Estes dois últimos clubes teriam uma situação mais complicada e poderiam estar ausentes no game da EA SPORTS.

Há muitas informações desencontradas a respeito do Corinthians. Há uns dias atrás, conversei com o NocturnoV, uma fonte confiável sobre futebol sul-americano no Twitter. Ele me passou que o site do Winning Eleven do Japão foi atualizado e dentre as licenças mencionadas estaria a exclusividade do Corinthians. No entanto, em seu site, a Konami removeu os detalhes a respeito das licenças. Por outro lado, diversos seguidores nos passaram que, de acordo com a ouvidoria do clube paulista, o time segue em negociação.

Em relação ao Flamengo, além da mensagem da ouvidoria confirmando que o clube estaria apenas no PES 2017, a ESPN publicou no início do mês uma reportagem na qual a equipe da Gávea estaria processando a EA por um suposto calote, da época de 2011.

Ainda de acordo com o youtuber CrocodiloGamer, após testar o FIFA 17 com o Tiago Leifert no evento em São Paulo semana passada, uma das pessoas que participam das negociações com os clubes do país revelou a ele que durante a palestra de apresentação do game, a volta da Liga do Brasil seria anunciada oficialmente. No entanto, isso não ocorreu. Segundo o youtuber, alguém da EA pediu para que não revelassem naquele momento, muito por conta das negociações com os atletas. Jonathan Harris, gerente de negócios da EA no Brasil, garantiu no mesmo evento, que “teremos novidades para o Brasil mais à frente”.

Se for levada em consideração a linha de raciocínio que a EA usa desde o FIFA 07, na versão que será lançada em setembro, teremos times brasileiros até no Resto do Mundo. Desde a versão lançada em 2006, quando temos pelo menos 17 clubes brasileiros da Série A licenciados, a empresa opta por incluir algumas equipes da B.

Das equipes que foram rebaixadas recentemente, Avaí, Bahia, Criciúma, Goiás, Joinville e Vasco da Gama ainda têm contrato vigente com a EA. O Criciúma, por exemplo, fechou um contrato com duração de 5 anos em 2013. O Goiás, por outro lado, só não apareceu no FIFA 16 por conta dos poucos atletas que liberaram sua imagem para o game… Mesmo o clube tendo contrato assinado!

As assinaturas dos direitos de imagem devem ser entregues à empresa poucas semanas antes do lançamento oficial. A tendência é que, assim como aconteceu no FIFA 16, a versão final do game tenha atletas com nomes genéricos e só após o dia 29 de setembro, tenhamos uma atualização corrigindo os nomes dos jogadores.

Até o ano de 2013, muitos clubes fecharam contrato em cima da hora (no final de julho) e no último FIFA 16, os elencos só foram atualizados quando o game foi lançado. No FIFA 13, por exemplo, Napoli, Palmeiras, Botafogo e Vasco tiveram seus escudos e uniformes oficiais incluídos só após o lançamento da versão final do jogo.

Não se sabe ainda se um “Fla.Rio” ou um “C.Paulistano”, versões genéricas de Flamengo e Corinthians, seriam incluídos para substituir as possíveis ausências dos clubes. Até porque o recolhimento das assinaturas liberando os direitos de imagem de atletas é de responsabilidade dos próprios clubes. Dificilmente os jogadores com nomes reais apareceriam no jogo.

Toda essa especulação deve acabar após as apresentações da Gamescon, dia 17 de agosto, quando a EA costuma anunciar oficialmente as ligas que estarão no jogo.

Mas e quanto as ligas Champions League e Libertadores?

A resposta é que provavelmente a Champions não estará novamente no game ja que em uma partida narrada por Tiago Leifert no FIFA 17 ele se refere a liga como Champions Cup, que é a liga fantasia substituta da Champions League. Quanto a libertadores, há chances de estar no game, já que a Konami encerrou seu contrato com a Conmembol o que deixará a EA livre para negociar os direitos de imagem da liga